Principal Convenios Especialistas Onde estamos Fale conosco

 


Ecodopplercardiograma Pediátrico

O Ecodopplercardiograma Pediátrico é uma ecografia voltada ao estudo detalhado do coração, tanto no que tange ao aspecto anatômico, quanto na avaliação da função cardíaca, assim como na abordagem dos fluxos sanguíneos intra-cardíacos, trans-valvares e ao longo das veias e artérias.

É um exame que deve ser realizado preferencialmente por Cardiologista Pediátrico com especialização em ecocardiografia pediátrica, mediante solicitação prévia do pediatra ou Cárdio-pediatra em situações como:

  • Sopro cardíaco
  • Dor no peito
  • Palpitações
  • Cansaço aos esforços
  • Arritmias cardíacas
  • Tonteiras, desmaios
  • Doenças como Febre Reumática, Doenças do Colágeno, Anemia Falciforme, Síndromes, etc.
  • Febre prologanda por causa desconhecida
  • Crianças que ficam "roxas", ou que "perdem o fôlego"
  • Pré-operatórios (risco cirúrgico)

O resultado é entregue tão logo termine o exame.

 

Ecocardiograma Fetal

O Ecocardiograma Fetal é um estudo ecográfico que permite detalhar cada centímetro do coração do feto, diagnosticando assim as cardiopatias congênitas, arritmias ou distúrbios funcionais do coração fetal. Para isso, necessita-se de aparelhagem de alta resolução, equipado com modo-M, Doppler pulsado e contínuo, para uma boa análise, permitindo assim visualizar imagens em tempo real, com mapeamento do fluxo a cores, tendo em vista a rápida movimentação do coração e as pequenas dimensões do mesmo.


Esta especialidade existente há aproximadamente 25 anos, ainda é pouco reconhecida no Brasil. A ecocardiografia fetal nível I, geralmente realizada por Ultrassonografistas, permite o reconhecimento da normalidade cardíaca, através da imagem em 4 câmaras, com sensibilidade para 48% das cardiopatias.

Adicionando-se a análise da via de saída dos ventrículos, a sensibilidade aumenta para 78%. A ecocardiografia fetal nível II , reconhece com profundidade as cardiopatias congênitas e suas complexas associações, permitindo, com suas informações o estabelecimento do prognóstico e o planejamento do tratamento pós-natal.


 

 

As malformações estruturais do coração e vasos da base ocorrem em 8 de cada 1000 nascidos vivos , portanto são inúmeras as vantagens em se afastar ou reconhecer as anormalidades cardíacas fetais; nos casos com em que o resultado é normal, tranquiliza-se os pais e nos casos com anormalidade, é possível planejar para que o parto ocorra em Hospital com suporte para assistir ao recém-nascido.

       
     


O tratamento das arritmias cardíacas fetais com repercussão hemodinâmica já é uma realidade. Sendo assim este exame deve ser realizado preferencialmente por um Cardiologista Pediátrico, pois é reconhecida como sub-especialidade da cardiologia pediátrica, mediante solicitação do obstetra, ultrassonografista ou mesmo da gestante, em situações como:

  • História familiar de cardiopatia congênita

  • Arritmia cardíaca fetal ou materna

  • Uso materno de medicamentos como descongestionantes nasais, anti-inflamatórios, anti-hipertensivos, anti-depressivos a base de lítio, álcool, drogas , etc.

  • Uso materno frequente de chás, chocolates, café (principalmente nos últimos 3 meses de gestação)

  • Infecções maternas contraídas no 1º trimestre de gestação como: Citomegalovírus, Chagas, Toxoplasmose, Rubéola, HIV, etc.

  • Doenças maternas como: Diabetes tipo I ou gestacional, Lupus, Epilepsia, Hipertensão Arterial , etc.

  • Alterações detectadas na ultrassonografia como: Alterações cardíacas, Alterações em outros órgãos, Polihidrâmnio, Oligohidrâmnio, Retardo do crescimento intra-uterino, Hidropsia, Síndromes, etc.

  • Idade materna maior que 40 anos

  • Gestação múltipla

  • Óbito fetal em gestações anteriores